Dermatose inflamatória: vantagens de um emoliente antes de um corticosteroide

No estudo publicado no Journal of the European Academy of Dermatology and Venereology, foi comprovado que em doentes com dermatose inflamatória pode ser benéfico a aplicação de um emoliente e esperar que este seja absorvido convenientemente antes da aplicação tópica de um corticosteroide (TCS).

O uso combinado de um TCS e emoliente na gestão de doentes com dermatose inflamatória pode ser difícil para os doentes e desafiante para os profissionais de saúde se tivermos em conta o tempo de aplicação combinada destes.

Quando os ingredientes de um TCS combinado com um emoliente se combinam durante a sua aplicação, uma formulação local é desenvolvida numa área local limitada. As propriedades físico-químicas dos ingredientes constituintes, bem como a sequência e tempo entre aplicações, determinam a capacidade de estes se misturarem.

Neste trabalho estudou-se o efeito na pele da mistura de um emoliente combinado com um TCS. Verificou-se que quando se aplicava primeiro o TCS, o emoliente hidrofílico não podia dissolver os ingredientes lipofílicos do TCS, mas um emoliente lipofílico conseguia dissolver os ingredientes lipofílicos do TCS. Em último caso, o TCS foi aplicado em toda a área de aplicação do emoliente, o que não se mostrou vantajoso uma vez que resultou num aumento da área de aplicação e da absorção percutânea do TCS, quer em pomada quer em creme.

Os resultados demonstraram que quando dois tópicos são aplicados em combinação na pele de um doente, mesmo que este tenha sido absorvido, a formulação que se aplicar subsequentemente pode dissolver os ingredientes veículo da fórmula aplicada inicialmente. Este facto é dependente das propriedades físico-químicas de cada uma das formulações. Os investigadores do estudo recomendam “aplicar primeiro o emoliente e aguardar alguns minutos pela evaporação dos ingredientes voláteis, bem como da absorção. E só depois a aplicação do TCS, para evitar a aplicação e distribuição do TCS em áreas da pele maiores que as necessárias”.

Os investigadores referem que “por razões práticas pode ser mais conveniente para os doentes dividir a aplicação na pele de acordo com a hora do dia, como por exemplo de manhã ou de noite, ou qualquer outra modalidade que aumente a adesão dos doentes”.